Empresa Serviços Dúvidas Pacientes E-mail

Resultado pela Internet

 

Proteína C-reativa
Proteína C-reativa ultra sensível

Novo teste para avaliação de doença aterosclerótica e risco cardiovascular.

A proteína C-reativa (PCR), classicamente utilizada como proteína de fase aguda, tem seus níveis séricos aumentados em decorrência de múltiplos fatores, geralmente relacionados a processos inflamatórios e infecciosos. Estudos recentes mostraram que a dosagem da PCR por metodologias de alta sensibilidade (limite de detecção inferiores a 0,1 mg/dL) pode ser utilizada para avaliação do risco cardiovascular de forma independente dos outros fatores de risco já conhecidos. Quando a PCR é utilizada para essa avaliação de risco de doença cardiovascular, o valor de referência mais comumente usado é de PCR sérica inferior a 0,3 mg/dL. É importante ressaltar que a maioria dos métodos rotineiros que dosam essa proteína têm um limite de detecção de 0,4-0,5 mg/dL, sendo adequados para a utilização clínica tradicional da proteína C-reativa, ou seja, avaliação de inflamação/infecção, mas não são sensíveis o  suficiente para a avaliação da proteína C-reativa como indicador de risco cardiovascular.

Hoje, sabemos que metade de todos os infartos do miocárdio ocorrem em pessoas com níveis de lipídios plasmáticos normais. Vários estudos têm mostrado que o risco aumentado se associa com níveis de proteína C-reativa elevados, o que está relacionado com as evidencias recentes de que a aterosclerose é, em parte, uma doença inflamatória. Quando combinada a outros marcadores de risco cardiovascular, como o colesterol total e a relação colesterol total/HDL-colesterol, ela tem um efeito aditivo, aumentando consideravelmente o valor preditivo desses testes. Atualmente, a proteína C-reativa é considerada um forte marcador independente, superando, entre outros, a dosagem de colesterol total, apolipoproteína B-100 e homocisteína.

Esses e outros estudos indicam que a dosagem PCR por método ultra-sensível pode contribuir tanto para a identificação de identificação de indivíduos ainda assintomáticos, mas com risco de desenvolver doença cardiovascular em decorrência da aterosclerose, e possibilitar a adoção medidas de prevenção primária, quanto para o acompanhamento e implantação de medidas de prevenção em pacientes com doença cardiovasculares pré-existente.

 

::. Quadro: Resumo de observações relevantes de vários estudos sobre a PCR ultra-sensível .::

1- Os níveis séricos da PCR são relativamente estáveis no decorrer do tempo, exceto após um episódio de inflamação ou infecção agudas. Nesses casos, sua dosagem, para o propósito de avaliação de doença aterosclerótica, só deverá ser feita 2 a 3 semanas após o térmico do episódio inflamatório ou infeccioso agudo. Seus níveis não são, geralmente, afetados por medicações.

2- Seu valor preditivo de futuros eventos de doença cardiovascular é independente de outros fatores de risco conhecidos, incluindo lipídios e outras medidas não invasivas de doença aterosclerótica subclínica.

3- A PCR é útil como marcador de risco cardiovascular, tanto em homens como em mulheres de meia-idade, bem como em idosos.

4- Alguns estudos indicam que os níveis de PCR parecem identificar os indivíduos que se beneficiarão mais com intervenções terapêuticas de profilaxia primária (aspirina), bem como para monitorar um provável efeito antiinflamatório no tratamento com drogas do grupo das statinas, que inibem a síntese do colesterol.

5- Outros estudos têm mostrado que a PCR tem valor preditivo no risco de eventos futuros em pacientes com síndromes coronarianas agudas (infarto do miocárdio e angina instável), bem como na angina estável e em pacientes com stents coronarianos.

6- Do ponto de vista laboratorial, a dosagem da PCR ultra-sensível está padronizada e já tem a sensibilidade adequada para essa utilização, além de custo relativamente baixo nessa classe de exames.

 

Empresa
Serviços
Dúvidas
Pacientes
E-mail
Topo